O IMPRESCINDÍVEL

Pouco me é imprescindível
para viver:
água para afogar a sede,
ar que sopre nas narinas,
algo que coma, óbvio,
e um punhado de palavras
para traduzir o amor
que subtraio
do húmus do real
e do imaginário.

Comentários

Postagens mais visitadas